Páginas

✿Crianças ou monstros? A resposta já sei...Aliás, tenho certeeeeeeeza!!!✿

Puxa vida!!!

Não dá pra aguentar quieta...

Quem de nós não passou quando os filhos pequenos por aquelas briguinhas entre coleguinhas?
Ninguém foi santo!
Todos aprontaram.

Mas as coisas quando se tornavam repetitivas e doentias, eram tratadas pelos colégios e ia para casa do aluno mau elemento, uma advertência, duas, três e depois o colégio fazia alguma coisa.

Paralelo a isso, eu mesma resolvia tendo uma "conversinha franca  e doce " com a fofurinha linda e meiguinha que insistisse em bater nos meus filhos.

Pronto! Um olhar de fúria que eu jogava nas ferinhas o medo batia e deixavam pelo menos os meus em paz.

Porém os tempos mudaram...

Psicologias, grandiosa falta de limites dos pais que se borram de medo dos filhos, não sabem dizer NÃO, ficam com voz de boi manso...estragam as crianças, que sabem ser abusivas e se aproveitam da burrice paterna.

Onde elas vão se manifestar quando não tem mais tempo pra  brincar, não podem correr soltas, andar de bici tranquilas, etc?

Claro que na escola e lá despejam tudo que veem na Tv, nos joguinhos de computador que pais insistem em deixar filhos  a sós , como se fosse babá!

Estamos vivendo esse drama com um dos netinho e num tradicional colégio aqui de Poa, muuuuuuuuuuuuito bem pago,sim senhor!!!

Em menos de 20 dias, várias agressões, manchas roxas, derrubadas de escadas, unhas marcadas no rosto inteiro.

UM ESPANTO,REVOLTANTE!!!


Tudo registradinho com fotos, claro...Essas quem sabe terão um fim jurídico...

Na ida ao colégio, conversinhas com a coordenação, promessas...

Novas torturas feitas pelo agressor mirim, monstrinho bem criado...

E hoje, chega a resposta:

sabem a  solução dada pelo GRANDE e Perfeito coleginho???
 Por enquanto não cito nomes,mas aguardem!!!

" Os pais devem se unir, conviver e o agredido deve cooperar com o agressor."

Pode?
Vão catar coquinho!!!Se fosse com os filhos deles? Queria ver!

Conviver com marginalzinho de 6 anos que já tem o gene da maldade incrustado??

 LONGE DELE!!!   XÔ!  Cada um no seu quadrado!!!

Essa é nossa postura e continuará sendo!

Não queremos ver o guri, tão pequeno chegar em casa quebrado...

E cadê a tranquilidade? 

E como ficar em paz em casa esperando a hora de buscar no colégio e saber  o QUE HOUVE DESSA VEZ?

E o pavor da criança que está em sala de aula e não pode estar tranquila?

Ora, vão se catar, pra não dizer outra coisinha mais linda! 

Vamos esperar que da próxima vez, ao invés de atirar pedras no bichinhos do colégio como o faz, além de tirar meu neto como courinho,  chegar uma pedrada daquelas no olho e cegar?

Ou mais um soco no ouvido? Ou quem sabe,uma derrubada da escadaria?

Até quando? Até quando???


F...essa psicologia moderna em que o marginal é o astro rei...



Dá vontade novamente,como antigamente, de entrar de patrola por lá!!!

Que indignação!

Vão ser ruins assim na caixa prego!!!

Indignação,raiva purinha é o que destilo aqui nesse caso!

Só pra registrar,deixo esse desabafo!

Não somos santas e o sangue deve explodir!!! chica

12 comentários:

  1. Olá,Chica!!

    Ah! Isso me preocupa muito!!!A impunidade nestes casos só aumenta as agressões!!Afinal, porque o agressor vai parar?Ninguém faz nada...não tem consequências!!!
    Senti na pele quando meu filho entrou na escola!!Que coisa, dar educação aos filhos, ensinar limites é EXCEÇÃO!!! Podê? Os educados sofrem nas mãos dos outros!! resolvi o assunto, com muitas conversas, com a professora, a orientadora, a diretora...E com minha presença "marcante" no recreio! Vou lá fico na frente observando!!Graças a Deus se resolveu.
    Mas ainda vou lá, e o que vejo sempre me causa espanto!!
    Cheguei a conclusão de que a escola é um lugar perigoso.Ninguém cuida de nossos filhos no recreio, eles ficam a mercê de "valentões"!!
    Beijos querida!
    Vou rezar para que se resolva, é um absurdo uma criança não ter tranquilidade para estudar, não se sentir seguro!!

    ResponderExcluir
  2. É, Chica, isso revolta mesmo!
    Educamos nossos filhos ensinando-os a respeitar as pessoas, a conviver pacificamente, a tentar resolver verbalmente as situações de conflito e a conhecer direitos e a respeitar deveres... Mas infelizmente isso não é prática e atitude de todos...
    É bastante comum profissionais da educação terem contato com crianças e adolescentes agressivos, tanto na escola quanto na sala de aula.
    Trabalhei durante muito tempo com Educação, e esse tipo de conduta é mais frequente do que deveria.
    Mas penso que os professores teem como contornar esses problemas de forma eficaz, pois os pequenos se intimidam diante das regras e combinados estabelecidos pelo grupo. O estabelecimento de limites é fundamental!
    Além disso, quando acontecem brigas entre as crianças, o professor tem condições físicas de separá-los e tomar atitudes para que o respeito prevaleça no ambiente escolar.
    Atitudes enérgicas devem ser tomadas pela escola, a respeito. Há várias coisas que podem e devem ser feitas. É fundamental que a escola mostre, através de regimento interno e tal, quais as consequências de atitudes agressivas, discutindo com os pais sobre os direitos e deveres dos alunos, bem como da instituição.
    Minha opinião sobre isso é um tanto dura... A escola precisa se posicionar firmemente em relação a isso. Conversas com os pais, advertências e tentativas de resolver o problema, encaminhamento das crianças agressivas a especialistas são sempre benvindas. Mas se isso tudo não resolver, sou a favor de encaminhamentos mais drásticos. Afinal, o comportamento de um não pode comprometer a tranquilidade e o ambiente saudável de aprendizagem e convivência de todos.
    Beleza de desabafo, Chica!
    E tomara que a escola se posicione e não mantenha uma atitude molóide em relação a isso. Porque se começa assim, o que vem pela frente, infelizmente todos sabemos.
    Um beijo! Aplausos a você!

    ResponderExcluir
  3. Que coisa amiga, como é que pode né?
    Meu filho já tá moço, mas se acontecer um dia com um neto meu ahhh a coisa vai ficar feia...
    Tem mesmo que chegar junto dos pais desses aprendizes de marginais e se não resolver aciona justiça, conselho tutelar, secretaria do núcleo escolar e por aí vai...
    Em útimo caso se fosse comigo e não resolvessem, eu dava um jeito na situação loguinho, deixaria bem claro que iria filmar e colocar na mídia pra todo mundo ver,pois isso é buylling e é crime, então se quiserem ficar famosos é só continuar, e isso entra escola, pais e os cambau...é amiga... eu sou zen, mas tb tenho o meu lado bicho qdo precisa
    E como tem pais omissos, que sentem medo de dizer não a uma criança ou até mesmo adolescente, que os deixam abandonados em frente ao PC fazendo o que quiserem sem o mínimo de monitoramento
    Temos que estar de olho em tudo, tomara que consigam resolver da melhor maneira possível e seu netinho fique bem
    Beijos pra ti!

    ResponderExcluir
  4. o mais triste é que nesses casos, a vítima é que tem que sair da escola, fugir da situação, para se proteger das agressões. toda criança precisa de limites firmes, pois se nós não fazemos isso em casa, a polícia, mais tarde, o fará nas ruas.

    ResponderExcluir
  5. Joaninha,

    Uma vez mais me coloco ao seu lado e mesmo sabendo que "nossos" fofinhos também não são santos, entendo que limites precisam (e devem) fazer parte dos compromissos de um estabelecimento de ensino. Afinal, Português, Matemática e Geografia são importantes sim mas, noções básicas de civilidade, convivência e respeito aos direitos dos outros também deveriam ser incluídos nas "grades" escolares, antes que outras grades venham a fazer parte da "vidinha" de nossos "fofinhos".

    Infelizmente, nesses tais "tempos modernos", os pais abandonaram a educação de seus filhos e transferiram essa responsabilidade para as escolas que, por sua vez, lavam as mãos e subordinam-se ao poder, seja lá de que tipo for, de cada pai.

    No mundo dos homens existe um outro tipo de providência. Pode não ser muito civilizado aos olhos de bons educadores e muito menos aos olhos dos "psiqualquer coisa" modernosos, mas bastante eficiente para quem prepara os filhos para o mundo competitivo que os aguarda na idade adulta.

    Adotei com os meus e deu certo.

    Primeiro, me colocava inflexivelmente ao lado do filho agredido, buscava argumentos para fortalecer seu "eguinho" machucado, ressaltava o caráter distocido do agressor, falava do desamor que deveria haver na casa do demoninho e concluia, estimulando-o a respeitar aos outros, mas sem temê-los: filho, nunca dê o primeiro tapa, mas, nunca volte pra casa sem devolvê-lo.

    Não sei se ajuda, mas, criei quatro e os vejo hoje, atuantes e firmes em suas posições e vencendo na vida.

    Quanto a escola, mete pau nesses moloides!

    Meu carinho,

    Anderson Fabiano

    ResponderExcluir
  6. Hoje ele tem 6 anos.
    Mas amanhã o que será capaz de fazer?
    Quando eu trabalhava na creche
    (e era de pobres) sempre tinha os ditos valentões, mas rapidinho a gente dava um jeitinho neles.
    Nunca ninguém foi machucado pra casa por ter apanhado de um coleguinha.
    Vá atrás mesmo!
    A escola é responsável por cada aluno.
    Bjs
    Que bom que gostaste da imagem

    ResponderExcluir
  7. Chica tem todo direito do mundo de botar a boca no trombone.
    No seu lugar eu faria o mesmo e exigiria um medida legal porque esse tipo de coisa não pode ficar impune.
    Eu tive problema com meu filho na escola um determinada época por ele sofrer bullying,mas ainda não havia a lei para poder por ordem na casa.
    Ser passivo e assistir tudo nunca foi a melhor solução.
    Tudo tem seu limite e as leis existem e devem ser cumpridas.
    Cabe a todos nós tomarmos providências, e ficarmos em cima e não desistir por mais que isso seja cansativo.
    Se nada for feito cada dia piorará mais.
    Um basta a falta de pulso e ao respeito com o Ser humano.
    Parabéns pelo texto e desejo que você consiga resolver isso.
    Não dá para ficar quieta.
    abraços

    ResponderExcluir
  8. Chica,

    Sei como você se sente. Me precupa demais esse assunto. Sempre converso com meus netos, mesmo estando longe.
    Meu neto mais velho é gordinho e muito tímido. Ele só desafava comigo. Como estou longe, não consigo arrancar muita coisa. Mas tenho medo que ele esteja sofrendo algum tipo de transtorno desse tipo. Não físico, como o seu netinho, mas psicológico. Estou atenta.
    As coisas mudaram muito de uns anos pra cá. Lembro-me que uma criança mordeu minha filha na pré-escola. Quando cheguei pra buscar, já estava roxo. A mãe da criança já me esperava com os olhos cheios de lágrimas pedindo desculpas. E mesmo com a filha tão pequena, ela corrigiu. Não tive motivos pra ficar com raiva da criança, que estava assustadíssima e fazendo carinho na minha filha. Mas doeu muito.
    Fico pasma com uma decisão dessas, depois de vários acontecimentos seguidos. Nem sei o que dizer pra não falar besteira. Isso me entristece muito. Não sei onde isso tudo vai parar.
    Ah Chica, sei como dói no seu coração de avó. O que posso fazer agora é me juntar a você e lhe dar meu abraço.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Nooossa!!!
    Como podem fazer isso com seus netos que são crianças tão educadas e doces...
    Estou enojada...
    Um grande beijo e que tudo acabe bem
    Com carinho
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  10. Chica,
    Acho que vale a pena uma conversa séria com a escola e, talvez, uma sugestão de que eles chamem os pais da "ferinha" para uma conversa.
    Bj.

    ResponderExcluir
  11. Nossa, Chica, que absurdo isso!
    Têm sim que dar jeito nesta situação e vai registrando tudo, faça um book se puder e leve junto para mostrar provas e eles sentirem com quem estão falando. Oras!
    Revoltante tudo isso e ver que nossa sociedade cresce na violência, mesmo em meios mais elitizados.
    Tomara que tudo se ajeite para o melhor, senão o teu netinho acabará com medo de ir pra escolinha e não é uma boa coisa nesta tenra idade.
    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  12. CHICA, MAIS UMA VEZ OBRIGADA PELA VISITA E O COMENTÁRIO GENTIL. NÓS AQUI SOFREMOS MUITO COM O PRIMEIRO FIHO DE MINHA FILHA, O MEU PRIMEIRO NETO , OLHA QUERIDA ESTA CRIANÇA SOFREU TANTO DE DÁ DÓ ,ELE NASCEU DOENTINHO DE UM TRABALHO DANADO PARA SOBREVIVER, ERA MUITO FRANZINO, MAL SE ALIMENTAVA DAVA AQUELE TRABALHÃO PARA SE ALIMENTAR , QUANDO FOI ESTUDAR COMEÇOU A SUA VIA CRUCIS TODOS BATIAM NELE O PIOR QUE ELE NÃO DIZIA NADA EM CASA, CHEGAVA COM O NARIZ SANGRANDO EM DAS MALDADES QUASE CUSTOU A VIDA DELE, UM GAROTO MAIOR, O PEGOU PELOS PÉS E O SOLTOU DESLOCANDO UMA VERTEBRA DO PESCOÇO OS PAIS O LEVARAM AO MÉDICO ONDE ELE PASSOU UM MêS USANDO AQUELE COLARINHO INCOMODO, RESULTADO, CANSADA DE RECLAMAR EM CADA ESCOLA QUE ELE FREQUENTAVA, ELA SENDO PROFESSORA O LEVOU ESTUDOU JUNTO AQUELAS CRIANÇAS HUMILDES MAIS HUMANAS,uM ABRAÇO CELINA.

    ResponderExcluir

✿ Que isso possa ter deixado uma marquinha,ainda que seja bem pequenina , no seu dia, alegrando-o! ✿